Dr. Igor Padovesi - Especialista em Obstretrícia e Ginecologia
YouTube Instagram Dr. Igor Padovesi
Retirada do útero

Retirada do útero

O útero não produz hormônios e tem a única função de engravidar. Muitas mulheres já sofrem com questões uterinas enquanto menstruam (sangramentos, dores) e quando chegam à menopausa, apesar de não menstruarem mais, o útero se torna um dificultador da terapia hormonal: um dos maiores riscos da reposição hormonal é para o útero (risco de hiperplasia e câncer de endométrio), além do efeito colateral de poder fazer a mulher voltar a menstruar (que a grande maioria não deseja, depois da menopausa). 

Mulheres que já não tem útero não precisam usar progesterona, necessitando de menos hormônios e tendo menor risco para o câncer de mama. Portanto, não é necessário retirar o útero de todas as mulheres somente para a terapia hormonal (há opções de tratamento com progesterona oral, DIU Mirena etc). Mas, para mulheres que já sofriam com sangramentos, dores, endometriose, adenomiose, pólipo endometrial etc, pode ser discutida essa opção de tratamento definitivo. 

Exceto em situações de úteros muito volumosos, a cirurgia de retirada do útero pode ser realizada de forma minimamente invasiva: por laparoscopia, com 3 pequenos furos de 5mm e um por dentro do umbigo, sem pontos. A internação é de apenas um dia e a recuperação muito rápida, permitindo voltar às rotina habitual (inclusive atividades físicas) em poucos dias. 

E importante esclarecer: a retirada do útero não altera em nada a feminilidade! Embora algumas mulheres tenham um apego psicológico ao órgão, na prática, não há mudanças perceptíveis para a mulher. Em relação à sexualidade, o canal vaginal continua igual e não muda em nada a lubrificação, desejo ou orgasmo. 

Na verdade, a maioria das mulheres tem melhoras na vida sexual depois da histerectomia, devido ao alívio de dores, sangramentos e medo de engravidar. Só é necessário aguardar o período de abstinência pós-operatória, que é em média 45 dias.

Compartilhe:

Buscar Artigo


Dr Igor Padovesi é formado e pós-graduado pela USP e atua nos melhores hospitais de SP. Sua equipe é especializada no atendimento e cirurgias de mulheres que moram fora de SP e no exterior.


Acompanhe-o nas redes:



MAIS ARTIGOS EM Gestação, Parto e Pós-Parto

+ Gestação, Parto e Pós-Parto
Reposição hormonal: não é questão de opinião

Reposição hormonal: não é questão de opinião

A terapia hormonal da menopausa, quando bem indicada, traz benefícios importantes na qualidade de vida da mulher, com riscos minimizados quando o acompanhamento médico é realizado de perto.

Saiba mais
Tratamentos que trazem pouco ou nenhum benefício à saúde

Tratamentos que trazem pouco ou nenhum benefício à saúde

Campanha americana visa conscientizar médicos e pacientes sobre o abuso na realização de exames que além de desnecessários, podem trazer risco ao paciente.

Saiba mais
Câncer de mama: o diagnóstico precoce salva vidas!

Câncer de mama: o diagnóstico precoce salva vidas!

O câncer de mama pode ser silencioso nos primeiros anos. Realizar exames de rotina como a mamografia pode detectar lesões inicias e aumentar a chance de cura!

Saiba mais
Subir